13 de abril de 2007

CONCLUSÃO


O pensamento humano reflete aquilo que muitos da área da metafísica ou religião poderiam dizer: "o espírito criador divino", por vários fatores. Um deles, é a incrível capacidade humana de associação e ampliação do meio em que vive. Isso, de certa forma, inclui tudo aquilo que compreende sua competência, ou seja, sua cultura. Com efeito, uma outra característica que poderíamos dizer sobre o pensamento humano e sua divinal comparação, deita sobre a forma em que o pensamento humano procede, assim como em que velocidade atua e, ainda mais, em que tipo de tempo se desenvolve.

Nada, talvez, seja mais rápido ou mais instantâneo do que o pensamento humano; nada mais associativos e atemporal do que um sonho ou lembrança. Então, tentar teorizar o pensamento humano se torna algo tão difícil quanto tentar definir Deus.

Entretanto se não podemos definir Deus e nem tão pouco teorizar o pensamento humano devido a quantidade de caminhos e possibilidades existentes os quais poderiam nos guiar sobre estradas que, o própio infinito sería pouco para tantas coisas passíveis de acontecimento. Se não podemos fazer isso, pelo menos uma coisa podemos: desenvolver, por meio do nosso poderoso arsenal criativo, ferramentas que expliquem e mostrem como pensamos, seja por meio da arte ou por meio de novas tecnologias. Com isso, surge aquilo que serve como parâmetro de comparação com o pensamento humano o Hipertexto.

O hipertexto se relaciona e se faz relacionar com tudo que se apresente como semelhante, seja na forma, na função, no aspecto estético ou mesmo dentro de seu paradoxal contraste. Dessa forma, tudo pode ser conectivo e conectado, independendo das similitudes que antes, linearmente, as tornavam quase que impossível suas relações.

O hipertexto, surge como uma ferramenta teórica e prática de uma parte do funcionamento cerebral humano; digo isso, pois estou me referindo ao funcionamento biológico e neuronal os quais influem no pensamento, mas que não podem ser considerados como pensamento propriamente, ou seja, o hipertexto representa virtualmente o funcionamento cerebral dentro de suas qualidades de instantanedade, atemporalidade das lembranças e conexões às infinitas associações possíveis tanto com o objeto quanto com o sujeito simultaneamente.

Em outras palavras, o hipertexto funciona como portas de acesso para tudo e para todos, ao mesmo tempo que cria possibilidade e conexões infinitas , exatamente como funciona nosso cérebro: instantaneamente.



REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

LANDOW, G. GEORGE. Hipertexto – La convergência de la teoría crítica contemporánea y la tecnologia. 1995

--------------------- Teoría del hipertexto. 1997.

BARRET, Edward; REDMOND, Marie. Medio contextuales en la práctica cultural – la construcción social del conocimiento. 1997.







12 de abril de 2007

PUZZLES OF MIND (Labirintos da Mente)

English version:

PUZZLES OF MIND.
by: Márcio Mota.
THEME: Art & Faith
IDEA
A regular woman receives a spiritual message.

STORYLINE:
The belief of a woman makes her a messenger of peace.
SINOPSE (Mythological Structure Stylish – Christopher Vogler).
(First Timing )
Woman finds a crucifix and a piece of message written down on a paper at the backyard of the Cathedral.

(Second Timing)

Woman finds herself into a faith challenge that she must get thru alone.


(Third Timing)

Woman understands the whole mystery involving the stones and comes back to the bridge.
Arguments:


The story is all about a trajectory of a woman who decided to visit a pretty religious, old city in the north part of Spain (Santiago de Compostela). And in addition to this, she finds besides amazing sceneries and historical monuments she also learns a lesson about which it will change her style of life forever.


(Third timing / Apotheoses) Everything gets started when a white flower is seen going down the river. Right after a woman’s figure comes up on the head of a stoning bridge. This woman is Amanda; a young woman whom holds a secret that it’ll be revealed a bit at a time into the story following her memories.


Curiously at that time, she still holds a white flower that is simply identical to the first one it’d seen going down the river. But then again, the flower is shown up to the audience. Amanda holds the white flower at this particular time with her left hand while the right one is holding something in such a pressure that becomes sort of difficult for the audience to realize what it is in a first glance. In fact, what Amanda is holding so strongly is a crucifix that she found a couple minutes before her appearance on the bridge. What is basically desired here is pretty much to build up a story into a non-linear, structural-drama format that aims to tell it from back to forth as well as providing to it ability to jump out of the ordinary timing toward to other timings that are connected anyhow to each other. This could be throughout a symbolic element found into the story; a white flower, a stoning bridge over the river, a bell’s sound of a church, a crucifix, or simply throughout some sort of facial expression of the actress involved. In this way, so much more could be approached in terms of expression and art itself, because the time would be broken into several pieces that, consequently the audience might lead them to several different, mixed-up connections as much as possible.


Amanda, calmly but very mysteriously holds and spins around her fingers the white flower as she remembered of something pretty important that had just happened to her before she got at the bridge. At this moment, the way she looks at the flower pushes us up to her time-line of memories that immediately opens a new path into the time of the story. According to this point of view, the flower works out as a “lexia” or link that is responsible for connecting the sequence of the story into the non-linear discourse.


(Second Timing- Special world)


All of sudden that glance at the flower transports Amanda onto the middle of Obraidoro’s square, more precisely onto a gathering spot of all the peregrines in front of the Cathedral of Santiago. Amanda looked quiet and deeply interested in contemplating the cathedral as she wanted to keep in touch with some outer power. As soon as she finally decided to approach at the cathedral in order to get further details of the statues, she was overtaken by some strange music and voices which seemed coming from the statues. Amanda gets a terrible fright, looks around for checking whether someone else had heard of what she’s just had to. Realizing that nobody else had heard that strange noise, Amanda bravely decides to continue walking for getting closer to that sound and hopefully discovering what that meant properly.



The closer Amanda was getting to the cathedral the louder and clearer was the music and voices as well. Countless thoughts came up to Amanda’s mind meantime she was walking along to the chief entrance of the cathedral. That sweet and delicate music was increasingly becoming more attractive to Amanda. The only thing she wanted was just go far to wherever the music might drive her. As a matter of fact, she was being seduced by that in such a way that nothing else existed to her but that only.


As just as she’s almost getting more involved with all that spectacle that was rejoicing her eyes and ears, suddenly she hears a petrifying screaming of sword battles, pain and crying right behind her. Amanda, of course, extremely scared couldn’t simply give one more step forward. That was a situation that most people could call it as a "scared shitless" situation. Once again, Amanda finds herself into a situation that will make her to spend some energy to get out of there meanwhile the bad sound continues to get louder and louder as well as more frightful. Although Amanda could simply walk away from there, she avoided doing this. In attempt to stop that bad sound, she raised her hands up to the ears to avoid being taken over by it. But gracefully, Amanda received the necessary signal to provoke another recall. At the same time she was about to fell in desperation she heard a bell of the church playing. That meant a great relief to her because that makes her remember when she was at that square. The church’s bell sound marks inside Amanda’s memories a particular time that is required to lead the public to which sort of motivation had taken her ‘till there. In other words, the bell means symbolically another link into the script.


At this moment Amanda is back to where firstly everything had gotten started. Now she appears behind the Cathedral around where there was a huge old clock right on the top of the church’s tower. Amanda walks lively and amazed over there. The only thing she wanted was just to enjoy her time and get some pictures of every little thing she thought it was cute and interesting just like most people in there.

However, what she didn’t expect to get was an envelope that contained a crucifix and a piece of message about which sad something sort of like: “The faith is inside of the heart of who believes in me”. Amanda without knowing why she had found that envelope, decides to keep it into her pocket, after all she’s not that kind of person who finds things easily on the street everyday.


Thus fore, as a magic the time comes back to the right moment which is shown Amanda standing on the bridge. Now we are back into the third timing where finally Amanda will show us what she’d held in her hand during all time. Nice and slow, she opens her right hand until uncovering the crucifix. Immediately as soon as this happens the time line is back again to the Second timing of the story. Amanda is there, as just the same way as she was left meanwhile the script told us different occurrences in her life. Amanda continues stopped but right after the sound of the bell plays she grabs her crucifix, and firmly walks forward toward to the cathedral.

The screaming gives her a break and then she starts hearing the good ones once again until she gets the chief entrance of the cathedral. As soon as she trespasses the inner of the cathedral all sort of sound stops as well. Amanda feels like she’d left alone but soon she realized that was just one more piece of the puzzle she had to unscramble by herself. Nothing could give her more sense of peace than the cathedral itself that was brightened by many candles. Everything in the cathedral seemed to be aside from the ordinary world specially the sense of time that looked like being an extension of the heaven.

Amanda didn’t take too long to see the white flower on the seat of the church under a bright, sunny spot light that came from the rounded window on the top of the church. The white flower was depicted by Amanda as a token of her new mission in life at which is to lead a message of peace to as many people as possible. Thereby, Amanda gets the flower and takes a deep breath while she smells the white flower totally released for having been aware of her destiny.

After her apprenticeship, Amanda comes back to the stoning bridge into the (Third timing) where soon she’s going to take the flower away into the river for being carried by its stream as propagation of faith. Only after the flower is taken away the audience becomes aware that those very first scenes of the film are in fact either the beginning or the ending because of its non-linear structure that makes sure it’s possible. Then, when the flower touches down the river the following scenes are pretty much those ones that were first seen at the opening time of the film but; now here, we find more description regarding to where the white flower would be led by the watercourse of the river.
Symbolically, the river means the linear time which supports all its aspects: past, present, and future. Amanda is located in the present (bridge), the flower after the bridge means that something passed. One more thing must be said here that regards the future aspect, though the flower is seen in its past aspect when it’s going down the river after the bridge; what was in deed to be only past, in fact can also be the future as well, simply because of the camera’s involvement into the film. Thus fore, the camera that means the audience’s point of view works out perfectly in its timing functions, because even if the flower has passed under the bridge further from it, even so it is still seen as future into the audience’s point of view specially as the last scene shows us a beautiful sunset in horizon, depicting in this way an eternal birth and rebirth of all alive beings on the earth.

10 de abril de 2007

SEQUENCIA 1 (INICIO) - PONTE SOBRE O RIO SARILLA. EXT. DIA

CENA 1 - Cena começa com uma flor branca sendo suavemente levada pela correnteza do rio.











CENA 2 / 3 / 4 Amanda surge sobre a ponte de costas num grande plano geral. Em seguida os planos se aproximam até aparecer o que ela segura em suas mãos.









CENA 4 - Amanda segura uma flor branca com uma de suas mãos enquanto a outra permanece fechada segurando algo que será revelado apenas mais adiante. (foco na flor / flashback).



Imagem link 1









Imagem link 2

LABIRINTOS DA MENTE – The puzzles of mind.

Este roteiro foi desenvolvido como forma pratica de visualização e estudos acerca da narração não linear hipertextual como ferramenta estética. Toda construção do roteiro segue algumas das principais teorias e fundamentos da narração hipertextual. Trata-se basicamente, de um filme sem diálogos o qual vai mostrando suas conexões dramáticas por meio de elementos simbólicos encontrados no seio da trama. Dessa forma, a cada novo aparecimento de símbolos ou, como queira se chamado tecnicamente pelo seu produtor: conectores ou imagens links, o tempo do filme é rompido de forma que, horas o filme avança no futuro, vaga no passado e promete, com isso, sempre atualizar todas as ações dentro de um presente interminável onde tudo parece acontecer e continuar acontecendo eternamente, pois como já vimos, as questões de finais e começos hipertextuais são infinitas. (Marcio Danilo Mota. USC/2007)

TEMA: Arte e Fé.
IDEIA: Uma mulher consegue receber um chamado de fé.

STORYLINE: A fé e a coragem de uma mulher a tornam uma mensageira da paz.
SINOPSE (Estrutura mítica – Christopher Vogler).

(Primeiro tempo)
Mulher encontra um crucifixo e um bilhete na parte de traz da catedral.


(Segundo tempo)

Mulher se depara com um desafio de fé para entrar na catedral.


(Terceiro tempo)
Mulher entende o segredo das pedras e volta para ponte.

Argumentos:

A história conta a trajetória de uma mulher que decide visitar uma cidade religiosa muito antiga no norte da Espanha(Santiago de Compostela) e encontra, além de belas paisagens e monumentos históricos uma lição de vida, que vai mudar seu estilo de vida para sempre.

(3º tempo / apoteose) Tudo começa quando uma flor branca é vista descendo rio abaixo. Em seguida surge a figura de uma mulher na cabeceira de uma ponte de pedra. Essa mulher é Amanda; uma jovem mulher que guarda consigo um segredo que vai sendo desvelado pouco a pouco com o desenrolar de suas lembranças.

Curiosamente, nesse momento como um retrocesso temporal, ela segura com sua mão esquerda uma flor branca igual a que foi mostrada descendo o rio e com a mão direita ela segura algo que ainda não se pode identificar (crucifixo). A idéia principal dessa estrutura narrativa é contar a história de forma não-linear; de trás para frente. Onde o tempo pula para frente e para traz de acordo com as conexões encontradas na narração dramática.

Amanda, de forma serena e muito misteriosa segura a flor branca girando-a entre seus dedos, como se estivesse lembrando de algo muito importante que acabara de acontecer. Nesse momento a mirada que ela faz sobre a flor nos remete ao tempo de suas lembranças, fazendo com que se abra uma passagem conectiva com o acontecido de minutos atrás. A flor, nesse ponto de vista, serve como uma lexia; um link que conecta as seqüências dentro do discurso não-linear.

(2º tempo / clímax) De repente aquela mirada sobre a flor faz com que Amanda apareça no meio do “marco zero” dos peregrinos em frente à catedral de Santiago de forma muito contemplativa. Minutos seguintes ela começa a ouvir algumas vozes e melodias que parecem convidá-la a entrar na catedral. Amanda se assusta e olha para os lados para ver se mais alguém tinha ouvidos tais sons também. Então, logo ela percebe que ela tinha sido a única pessoa a ouvir aquelas mensagens que pareciam vir das estatuas da catedral.

Amanda, muito curiosa, mas muito corajosamente se dar conta, que não havia motivos para temer, então, ela caminha de encontro às imagens da catedral, os sons e vozes, com efeito, vão se aumento e alimentado a cabeça de Amanda com mais vontade de continuar sua corajosa busca do significado daquilo tudo.

Justamente no momento em que ela está se aproximando e, começando a se agraciar com todo aquele espetáculo de imagens e sons em sua mente, eis que surgem sons aterrorizantes de grito, de batalhas e de espada vindo de trás dela. Amanda, muito assustada, fica confusa sem saber o que fazer, nesse momento parece que o pavor toma conta dela; o pânico era tamanho que ela não conseguia dar mais nem um passo adiante. Então, ela pára. O que parecia ser mais uma luta, onde duas forças estavam se manifestando e convergindo entre si, de repente ouvi-se um forte soar de sino vindo da catedral.

O badalo do sino da cátedra marca dentro do pensamento de Amanda, o tempo que ela precisava para lembrar de algo que havia acontecido minutos atrás na outra parte da catedral quando admirava o antigo relógio. Dessa forma, assim como a flor branca, o sonido do sino também funciona como uma lexia, que vai mostrar onde tudo realmente se iniciou.

(1º tempo / tempo comum) Nesse momento, Amanda aparece na parte de traz da catedral admirando o antigo relógio assim como tantos outros visitantes. Ela anda aos arredores da catedral admirada com tudo que estava vendo, principalmente, com o antigo relógio da catedral e as estatuas. A única coisa que Amanda queria naqueles momentos era só aproveitar seu tempo de visitação como todos por lá.

Porem, o que ela não esperava era encontrar um envelope com crucifixo e um bilhete que dizia: “A FÉ ESTÁ NO CORAÇÃO DAQUELE QUE CRER EM MIM”. Amanda sem saber por que havia encontrado aquilo, decide guardar o crucifixo de forma muito intima e cuidadosa no bolso direito de seu casaco vermelho; afinal de contas, ela não costumava encontrar coisas na rua todos os dias.

Portanto, com isso tempo volta para o instante em que Amanda estava na ponte (3º tempo) e nesse momento abre a mão esquerda revelando o que tinha nela naquele momento. Imediatamente, quando isso acontece, tempo volta imediatamente ao (2º tempo / clímax), onde ela parou aterrorizada antes do sino tocar.

No momento em que o tempo volta para 2º tempo, ouvi-se novamente o mesmo badalo de sino e ela, então, numa súbita lembrança do crucifixo que estava em bolso, ela, então, tira o crucifixo apertando-o com muita força. Determinadamente, ela vence os seus medos e continua sua caminhada decididamente rumo a catedral.

A melodia vai ficando cada vez mais nítida aos ouvidos dela até o momento em que entra na catedral. Nesse momento o silêncio era total, nada mais de sons ou vozes. Amanda se sente como se estive sido abandonada, mas logo percebe que percorreria o interior da catedral sozinha; ela tinha que ir onde seu coração quisesse que ela fosse. A partir daí, Amanda vai descobrindo um mundo de paz e tranqüilidade num tempo que mais parecia estar parado; um tempo a parte do que estava do lado de fora das portas daquela catedral.

Finalmente, Amanda encontra um assento no meio da catedral; era um assento largo comum de igreja, porém, refletia uma luz tão vívida que Amanda decide se aproximar. No exato momento em que ela chegar ao assento, ela ver uma flor branca deixa por alguém, mas que para ela é a recompensa de tudo que viveu; era o sinal que tanto buscava. Aquela flor branca representava para Amanda sua necessidade de espalhar a sua nova mensagem para todas as pessoas que ela poderia encontrar em sua jornada de vida.

Após o aprendizado que Amanda, ela volta para ponte (3º tempo), onde ela vai jogar a flor no rio como forma de disseminação de fé e, então, percebemos que essa flor jogada é a mesma flor vista no inicio quando tudo começou. Entretanto, agora o tempo não volta mais para Amanda, agora o tempo continua seu percurso como o rio que a arrasta para o infinito das possibilidades.

30 de março de 2007

RELAÇÕES ESPACIAIS E CIBERESPAÇO (cyberspace)




De acordo com os conceitos geográficos de Henry Lefebvre, existe grande diferença significativa nos conceitos referente a “Espaço”. Para ele isso acontece porque o Espaço Social, diferentemente, do espaço geográfico natural (mundano), representa a materialização da existência humana, ou seja, está relacionado a todos os locais os quais são fundados por meio da cultura humana. Logo, todo espaço, assim entendido, recebe uma dimensão ulterior ao espaço geográfico (mundano); passando a ser visto e entendido como uma realidade ou como um discurso.

Contudo é importante dizer que o espaço social está contido no espaço geográfico (mundano). O que acontece é que o espaço social sugere um funcionamento lógico e ordenado, controlado por estatutos de vários preceitos: religiosos, políticos, econômicos e etc. Similarmente a isso, porem obedecendo, se não a estatutos: naturais, indomáveis e imprevisíveis o espaço geográfico mostra dentro de seu universo; aparentemente caótico, a ordem dos ciclos e da obediência hierárquica das ordens de causa e efeito. Em outras palavras o que de fato acontece é que o espaço social sugere uma simulação do que se pode obter no espaço geográfico. Isso é obtido por meio do paisagismo, da arquitetura, dos ambientes de sociabilidade como parques, bosques e outras tantas que estão contidas no espaço social e que mostram a passagem do Homem por elas.

Como uma profunda penetração a que o conceito de espaço social sugere, podemos observar também, que mesmo dentro desse espaço fundado pelos homens, existem outros espaços,que são abertos nuclearmente os quais nos levam à diferentes convenções, com diferentes linguagens e estatutos de funcionamento, mesmo que, embora, sejam uma representação do estatuto maior ao qual estão contidos. Esses novos espaços criados dentro do que poderíamos chamar aqui de “marco espaço social", funcionam de forma extensiva, devendo, portanto, serem analisados dentro de suas particulares abordagens e quiçá ampliar para fora dela, vai depender do tipo de analise que se quer fazer. Desse modo abrem-se espaços para a economia, política, cultura e aquilo que se faz de maior importância estudar nesse artigo: o Ciberespaço.

O ciberespaço é o ambiente criado virtualmente por meio do desenvolvimento das novas tecnologias da comunicação e da informação, principalmente aqueles que se comunicam por redes como a Internet. Esse novo espaço, criado dentro do que chamei anteriormente de “macro espaço social”, teve sua realidade possível no momento em que a velocidade e o volume de informações começaram a ser trocadas de forma mais rápida e maior.
A Internet, conhecida como "rede das redes", constitui-se em uma possibilidade condensada sobre características do cyberspace, cujo conceito lhe é anterior. A palavra Ciberespaço ou Cyberspace é desenvolvida por William Gibson, no seu celebre romance de ficção cientifica: Neuromancer (Gibson, 1984), o ciberespaço designa, originalmente, o espaço criado pelas comunicações mediadas por computador ("CMC’s").
"Cyberspace. A consensual hallucination experienced daily by billions of legitimate operators, in every nation, by children being taught mathematical concepts... A graphical representation of data abstratcted from the banks of every computer in the human system. Unthinkable complexity. Lines of light ranged in the nonspace of the mind, clusters and constellations of data. Like city lights, receding..." (GIBSON, 1984:51)

29 de março de 2007

Simulação como discurso.






A idéia central do Ciberespaço, como é em Second Life, consiste basicamente em possibilitar o surgimento de uma nova realidade contada por meio daquilo que Jean Baudrillard chamou de Simulacros e Simulações. As simulações; popularizadas por meio das novas técnicas digitais de informação, vem introduzindo novas formas de comportamento social e, alterando as formas de experimentação da realidade desde os primórdios do século XX. Essas simulações tecnológicas são resultantes de um processo de retroalimentação junto ao cotidiano da vida social. Merece ainda ser dito aqui que, as simulações de forma errônea e preconceituosa tiveram e tem ainda hoje, de certo modo, sua idéia deturpada pelo senso comum que a entendia como fingimento ou mentira salvo, é claro, em alguns setores culturais no que se refere às Artes ou naquilo que virou o ícone fiel dos conceitos de simulações: os Jogos Eletrônicos.

Com o passar dos tempos e com a expansão dos recursos técnicos, as simulações começaram, de certa forma, a serem vistas como algo mais positivo e passou ineditamente a um patamar mais elevado no que concerne à epistemologia. Portanto, nos dias atuais; nos dias de Second Life, por exemplo, as técnicas de simulação ultrapassam largamente dos métodos convencionais de aprendizagem tanto nos segmentos de desenvolvimento tecnológicos quanto no segmento de produção de conhecimento.

De modo geral, na medida em que a nova plasticidade digital avança rumo às novas possibilidades de representação do real, proporcionalmente avançam as possibilidades manipulativas das mensagens sem deixar vestígios de alteração e, consequentemente, do Real numa espécie de busca de unificação entre ambos. Enfim, num mundo em processo de convergência midiática, aonde tudo é digitalizado e passivelmente manipulado, fica cada vez mais difícil, portanto, perceber o que de fato é copia e original fazendo com que se perca surja uma nova forma conceptual acerca da Simulação como falsidade, se não agora como um novo Discurso social.

3 de março de 2007

HIPERCOMUNIDADES











O surgimento da internet como meio de comunicação, nos trouxe muito mais oportunidades do que o imaginado na época do seu lançamento. O seu desenvolvimento tem marcado um assombroso rasgo na forma de vida das pessoas, nos métodos de trabalhos, no jeito de se comercializar e, principalmente, nas relações de sociabilidade e socialização. Nunca, na historia da humanidade, foi tão evidente e acelerado uma mudança de estilo de vida como as ultimas que temos acompanhado paulatinamente ao surgimento das novas tecnologias de comunicação.





Equipadas com técnicas hiperativas e hiperconectivas, tudo se torna possível dentro do universo virtual: ter um novo nome, nova casa, nova profissão, ou seja, uma nova vida. Quantas vezes ouvimos alguém nos dizer que gostaria que tudo fosse belo, colorido e sem defeitos? Que gostaria de viver num sonho bom para sempre? Embora tais coisas ainda não sejam possíveis fisicamente, virtualmente já é totalmente, graças às técnicas desenvolvidas de hiperconexão.

Talvez vocês possam estar se perguntando: o que isso tem a ver? Simples, basta lembrar-nos de que junto à idéia de hipertexto e hiperconexão residem às noções tanto sobre infinitas possibilidades de começos textual como de finais, dessa forma, os jogos virtuais os quais nada mais são do que um tipo de texto; narrado por meio de personagens visualmente ativos e controlados por um leitor que se encontra ativamente envolvido na narrativa, nos faz entender que, mesmo num aparente momento de entretenimento, estamos construindo uma realidade por meio das nossas decisões pessoais, como sugere Mônica:

A capacidade de elección é o que fai que o hipertexto sexa hipertexto, é a interacción do lector o que rompe coa linealidade para determinar que camiño tomar dentre tódolos sendeiros de información dispoñibles. Visto deste xeito, o hipertexto aseméllase á "vida real". Eu camiño no meu devir diario por unha senda que dá lugar a diferentes eleccións. Todos debemos resolver interrogantes. Todos temos que decidir cara onde tirar en cada momento e seguir adiante. Jorge Luis Borges dicía que “los hombres pasan su vida buscando la salida del laberinto, si logran salir sólo se dan cuenta de que están circunscritos en otro laberinto de mayor tamaño y así sucesivamente”(comentário deixado no blog. Gracías Mônica!)

Portanto, agora imaginem uma comunidade virtual onde as pessoas; espalhadas pelo mundo todo, são capazes de controlar seus personagens em tempo real, fazer compras, dirigir seus negócios virtuais e ainda flertar virtualmente com outros personagens. Isso é o Second Life.



Second life é um mundo virtual inteiramente construído e possuído por seus residentes. Desde sua abertura ao publico em 2003, ele vem crescendo e se desenvolvendo vertiginosamente com um total de 4,255,023 pessoas de todas as partes do globo.

Desenvolvido inicialmente para ser um jogo virtual, Second Life vem incrementando suas
relações interativas com o publico, criando sociabilidade por meio da compra de terrenos virtuais, abrindo lojas e vendendo produtos próprios. Nesse mundo virtual tudo foi metodicamente reconstruído: paisagens, estilo de vida, entretenimento e serviços. Todo o comercio em SL é feito por meio da compra do Linden Dollar; sua moeda de circulação.
Mais do que um jogo, o fenômeno Second Life funda o momento de transformação nas relações sociológicas. Desta forma, se repete como foi no inicio da Internet, quando havia apenas um “site” e todos tinham que se encontrar nele. A prospectiva que se tem é que muitos outros grupos e cidades vituais surjam; certamente o que será maravilhoso para a estimulação do comércio vitual ou v-business.



2 de março de 2007

Características dos finais e começos hipertextuais.

Um começo hipertextual permite ainda que, o leitor detecte todas as outras obras assim como estabelece relação direta com obras já existentes; relaciona-se bem com os antagonismos assim como pode se tornar uma mescla de ambas. Identificar um ponto de leitura aqui se torna algo intimamente relacionada ao sujeito mais do que com o objeto. Uma vez que é o leitor quem escolhe os caminhos seguidos, similarmente acontece com os finais, salvo, é claro sua particularidades de abertura e retro-alimentação.

A abertura que me refiro é a mesma que Landow (1995) se refere. Para ele num hipertexto não existe um final se não vários finais possíveis os quais acabam por se misturar e, terminam por abrir novos começos numa espécie de profunda penetração do universo dos sentidos e das significações. Por isso esse tipo de leitura é chamado não-linear, isto é, fragmenta e associa tudo que a envolve. Desta forma, se o que envolve a leitura hipertextual são as múltiplas possibilidades de começos, misturados com outras múltiplas de finais, nada mais razoável do que se ter como resultado uma infinidade de possibilidades proporcionais a natureza de pensamento humano.

Como são formados os inícios e os finais de leitura hipertextual?

De acordo com Edward W. Said, o conjunto de lexias individuais formam um Metatexto. Todas as vezes que ocorre uma junção de conteúdos Hipertextuais surge automaticamente na mente do leitor o interesse por certo tipo de assunto destacado. Em outras palavras, o ponto de partida em uma leitura hipertextual é marcado por forças externas; corporificada na figura do leitor e não do autor. Desta forma, iniciar uma leitura hipertextual significa muito mais do que simplesmente começar a ler algo, mas, sobretudo decidir o que se quer ler; determinar para onde queremos ir. Mais do que sermos levados; simplesmente vamos por nossa própria conta e escolha de decisão.

Resumidamente, um ponto inicial de leitura hipertextual leva em consideração a designação de uma intenção consecutiva.

Vemos que el principio es el punto inicial (en el tiempo, espacio o acción) de una consecución o proceso que tiena duración y sentido. El comienzo entoces, es el primer paso en la producción de significados. (Edgard W. Said, apud. Landow, p.80. 1995).

Questões de princípios e finais num texto não-linear.


Se por ventura, perguntas do tipo: por onde um texto linear começa? Por onde termina? Como se interdisciplinariza?, são nos feitas, com muita certeza responderíamos que começa por onde primeiro temos contato, não é verdade? Com relação a sua finalização, poderíamos também arriscar e dizer que, acaba quando o texto chega as suas considerações gerais, conclusões ou quando simplesmente topamos em sua última página. Sua interdisciplinaridade poderia nos ser dada com muito rigor, é verdade, porem, não variaria muito em sua configuração de acesso.

Todas essas as respostas acima se relacionam diretamente com as bases do textos linear, portanto, como poderíamos responder tais perguntas quando nos referimos a textos e suportes não-lineares? Talvez, não nos fosse igualmente fácil responder esta pergunta, devido a uma serie de fatores que a envolvem. Um desses fatores encontra-se nos princípios da hipertextualidade apresentado por meio de seqüências, nexos, bifurcações e múltiplas vozes interdisciplinares. Dessa forma, como apresentaríamos o inicio e o final de um texto não-linear no qual as hiperconexões são os grandes diretores e organizadores de leitura?.

Si presuponemos que la hipertextualidad presenta secuencias, entonces, una respuesta a esta pregunta es que tiene múltiples principios y finales en lugar de uno solo (LANDOW. 1995, p. 79).

1 de março de 2007

Comentário sobre o livro: O testamento de um excêntrico.


O testamento de um excêntrico é uma novela carregada de conteúdos Hipertextuais que se desdobram e rompem com a os princípios do texto linear (Leitura, Escritura, e Estabilidade), embora escrito num suporte linear como o livro impresso.


Vernes, ao longo da narrativa principal (descobrir que será o vencedor da herança), vai misturando e abrindo outros precedentes para dentro de outras historias que se conectam de forma complementar. Isso tudo foi feito através da utilização de elementos retóricos e simbólicos os quais tratavam os jogadores são como fichas e os estados da União americana como tabuleiro. Desta forma, foi possível a interatividade e multiplicidade de possíveis finais enquanto o leitor era conduzido a outras informações adjacentes. Nas primeiras linhas do livro já podemos observar que Vernes começa a anunciar sua retórica não-linear, observe este trecho abaixo escrito em Espanhol:

CUADERNO PRIMEIRO

I

UNA CIUDAD EM PLENA ALEGRIA

Un extranjero llegado a la principal ciudad del Illinois en la mañana del 3 de abril de 1897 hubiera podido, con perfecta razón, considerarse como un favorito del dios de los viajeros. Su libro de memorias se hubiera enriquecido dicho día con notas curiosas, propias para dar asuntos para artículos de sensación. Y seguramente, si hubiera prolongado algunas semanas primero y algunos meses después su estancia en Chicago, podría haber tomado parte en las emociones, las palpitaciones, las alternativas de esperanza y desesperación, la fiebre, en suma, de aquella gran ciudad, que parecía haber perdido el juicio.

Desde las ocho, enorme multitud, siempre en aumento, se dirigía hacia el barrio veintidós. Es éste uno de los más ricos, y está comprendido entre la Avenida Norte y la Division Street y Lake Shore Drive, que bañan las aguas de Michigán. Es sabido que las longitudes y latitudes, imponiéndolas la regularidad de líneas de un tablero de damas. […]


Neste trecho destacado, observe como Verne utiliza dentro da sua narrativa principal, outras informações que dando maior penetração tanto sobre a ambientação local como suas peculiaridades culturais. Com isso a estabilidade do texto é rompida, a escritura alterada e a leitura otimizada. Mesmo que o suporte tenha sido linear, Vernes pensou de forma não-linear sobre ele.

Os três principais aspectos do texto Linear

Embora diferentes, estes aspectos agem entre si direcionando nossa assimilação textual e, sobretudo, nos faz perceber o texto e sua metafisica como um todo. São nesses aspectos que a teoria critica precisa ser reformulada para o reconhecimento da não-linearidade como texto.

Leitura:Um texto é o que ler, as palavras y frases que tem se de ante dos olhos e vão paulatinamente produzindo significados na mente do leitor.

Escritura:
Um texto é uma mensagem imbuída de valores e intenções de um escritor, gênero ou cultura dada. “A todo discurso subjaz uma ideologia” (Marcuse)

Estabilidade:
Um texto é uma seqüência fixa de componentes (princípios, meios e fins) que não podem mudar a menos que possa fazer sua interpretação.


Noções sobre Texto e Não-linearidade.

Para poder apresentar uma textualidade não-linear como fenômeno estudo da teoria critica do Texto, é preciso fazer uma reformulação sobre os conceitos de texto os quais basicamente formam a tríplice relação significativa: Leitura, Escritura e Estabilidade.

Por texto pode se entendido como um complexo sistema de significantes codificados sobre um suporte que possibilita sua decodificação ao mesmo tempo dentro de uma estabilidade coerente. Essa idéia carrega consigo um pouco da intricada relação de valores culturais que precisam ser reformulados, pois, como diz Landow (1997):

Para presentar la textualidad no lineal como fenómeno que atañe a la teoría del texto, debe replantarse por completo el concepto de textualidad de modo que incluya tanto los textos lineales como los no lineales.


Um texto não-linear pode ao mesmo tempo um objeto de comunicação verbal como não-verbal proporcionalmente. De qualquer forma, ele não se limita simplesmente numa seqüência estática; fixa de significantes como palavras e frases, mas, sobretudo representa a forma; o modo de como isso tudo se relaciona.

Os textos não-lineares são tão variados quanto diferentes entre si. Da mesma forma que são os textos lineares se moldam de acordo ao meio codificado o mesmo acontece com os textos não-lineares cujo tipo de leitura depende inteiramente do suporte empregado. Isso, com efeito, me faz lembrar de certa frase de Mc Luhan que diz: “O meio é a mensagem”. Talvez isso nos remeta as razoes do texto não-linear; ou pelo menos a partir dele, os computadores foram inventados da mesma forma que este reformula e amplia as funções e relações com os textos não-lineares.

27 de fevereiro de 2007

Historia do Livro Digital


1455 - Johannes Gutenberg Desenvolve a prensa de tipos moveis. Essa tecnológia permite a criação de livros de alta qualidade por custos mais baixos do que as formas feitas á mão. O primeiro livro impresso por meio da prensa de Gutenberg foi a “Bíblia Cristã”.

1490 - Aldus Manutius funda a Imprenta Aldine em Veneza.

1570 - Abraham Ortelius produz o primeiro atlas moderno, Theatrum Orbis Terrarum . Recentemente, o atlas se convirteu em um livro digital quando o Library of Congress American Memory Project digitalizou os 70 mapas e os publicou na Web.

1840 - O papel de celulose de madera se produce comercialmente pela primeira vez.

1883 - Tolbert Lanston cri la primeira máquina de escrever mecanicamente, chamada monotipo. Antes de sua invenção, os compositores de textos eram feitos á mao com uma velocidade de cerca de 2.000 letras por hora. Com o passar do tempo, o monotipo chegava a fazer a 6.000 por hora.


1938 - H. G. Wells escreve O cerebro del mundo o qual consistia uma visão de Wells sobre uma enciclopédia impressa de todo o conhecimento humano.


1945 - Vannevar Bush escreve o ensaio, Como podemos pensar , onde descreve um dispositivo chamado de: Memex '. O memex teria, segundo os projetos, o tamanho de um escritório e sería capaz de armazenar tanto livros como outros materiais em microfilme o qual teria a capacidade tambem de vincular documentos afins.

1965 -
Ted Nelson Cria o termo “Hipertexto”. Escreve mais adiante seu próprio prometo utópico chamado: Xanadu no qual armazenaria todos os textos do mundo permanentemente num depósito universalmente acessível.

1965 - O profeta dos meios comunicação: Marshall McLuhan, antecipa a sociedade sobre o impacto que os benefícios potenciais da combinação eletrônica com os livros.

1968 - Alan Kay cria o modelo Dynabook, uma especie de computador com uma tela de 1 milhao de pixel. Kay chama esse dispositivo visionário de algo como: “O super-papel”.

1971 - Michael Hart escreve a Declaração de Independência na Universidade de Illinois. Começa o Projeto Gutenberg, uma espécie de biblioteca gratuita de obras clássicas via computador. Hoje a coleção total desse projeto consiste em 2.000 livros.

1979- Doug Adams escreve a popular novela de ficcao cientifica: O Mapa do Condutor na Galáxia. Essa novela tem como protagonista principal Ford Prefect quem explora a galáxia buscando um livro eletrônico chamado de O Mapa do Condutor.


1981 – O dicionário eletrônico Random House se torna o primeiro livro eletrônico disponível comercialmente no mundo.

1986 – Os editores Franklin Electronic agregam um dicionário eletrônico num dispositivo do “handheld”, desenvolvendo, dessa forma, o primeiro livro digital portátil.

1991 – Os discmam de dados Sony, permitem visualizar livros em CD-ROM em uma tela de 8 cm.

1995 – amazon.com começa a vender livros impressos pela WEB.

2000 – A disponibilidade dos programas Microsoft Reader, Glassbook e equipamentos portáteis para ler livros digitais abrem uma nova era de leitura e de visualização.

26 de fevereiro de 2007

Criação associativa e os novos paradigmas do livro impresso.

“O novo é sempre uma extensão do velho” (Marshall Mc Luhan).

Essa afirmação de Mc Luhan é capaz de resumir muito bem a incrível capacidade humana de associar e ampliar sua cultura. Para explicar isso, primeiro temos que nos desfazer de algumas noções românticas que ainda se encontram entranhadas no imaginário popular, principalmente, naqueles países onde o Romantismo teve maior penetração cultural. Isso, com efeito, inclui tanto alguns países europeus de lingua neolatinas quanto os países latino-americanos que, por influência direta de seus colonizadores, herdaram também conceitos que já não podem ser concebidos como verdade na produção criativa cultural, a saber: questões como “gênio e genialidade”, “original e originalidade” e, até mesmo, a idéia de uma “criação Inspiradora divina”.

Essas palavras e conceitos, juntamente, com seu significado ideológico-religioso permearam todo o período romântico os quais formavam, paulatinamente, reflexos deturpados e; talvez, inaplicáveis nos dia hoje; numa sociedade moderna na qual o pensamento da maioria está voltado, quase sempre, para a produção e modificação das informações e da cultura, consequentemente. Desta forma, novos paradigmas sobre Criação e Criatividade são estabelecidos com conceito mais dinâmicos, mais humano e menos dogmático. Com isso, podemos dizer que todas as miraculosas feituras tecnológicas e científicas que o Homem desfruta hoje em dia vieram a partir de uma nova tomada de consciência de produção cultural.

Ao passo que isso vai se desenvolvendo, o mundo moderno toma impulso e ganha velocidade centrífuga, capaz de tragar tudo para dentro do seu eixo de “spinning”, ou seja, todos os elementos culturais que ainda não foram aplicados pela Convenção Social como ferramenta de desenvolvimento cultural, já são de certo modo figurados pelas mentes de cada época podendo, desta forma, servir como base para o surgimento de algo que se moldará às carências das pessoas em suas respectivas épocas históricas.

Portanto, é justamente por meio de associações que o Velho dá lugar ao Novo; porém, ao invés de desaparecer por completo, ele persiste por um certo tempo; alimentando aquilo que é Novo com suas formas de funcionamento até este ter criado habilidades próprias ate que forme sua própria linguagem.

Temos como exemplo disso: a fotografia que veio das artes plásticas, o cinema que veio tanto do teatro tradicional quanto da fotografia, a televisão que veio do rádio e, finalmente, a internet que veio basicamente das formas tradicionais de livros impressos.

Enfim, qualquer um desses novos meios não passou a existir simplesmente; eles mais do que terem sido inventados foram criados; como resultantes de associações que lhes possibilitaram progredir e se desenvolver para poderem se tornar algo maior e mais amplo. Mais uma vez, ao contrário do pensamento Romântico sobre Inspiração, muita Transpiração foi preciso para que o Novo surgisse, entretanto, mais importante do que seu surgimento, são as suas razões porque surgem.

Por isso, encontramos na própria Cultura as respostas de seu desenvolvimento, por exemplo, ao falarmos em conhecimento ou informação pensamos tradicionalmente em livros, isso não acontece por acaso, como a maioria de nós sabemos, a história do livro carrega consigo tanto a jornada humana em busca do conhecimento, como também, todos seus esforços em desenvolver algo materialmente mais accessível a maioria das pessoas, tanto em nível de leitura quanto em nível de escritura.

É bem verdade que a historia do livro permeia uma trajetória muito longa para ser abordada aqui com riqueza de detalhes, porem, a grosso modo, podemos dizer que o livro, mais precisamente o livro impresso, marca na historia da humanidade uma segregação entre duas épocas distas: a idade Media e a Moderna. O desenvolvimento da prensa de Gutenberg não deve de forma alguma a ele mesmo, mas a uma profunda concentração de desejos, carências e informações culminadas na sua época. O que, basicamente, Gutenberg fez foi associar e organizar tudo isso convergindo para uma nova solução; isso, por volta da segunda metade séc. XV.

La imprenta, es decir, el libro impreso, no nace, pues, por la intuición genial de un hombre, ni siquiera por la conjunción de avances tecnológicos determinados, sino más bien por un proceso de maduración social. Nace a medida que crece el oficio y hasta la simple costumbre de pensar, de trasladar lo pensado a la escritura y de intentar que la escritura se convierta en “texto”, en conocimiento social canónico, y la auctoritas en “autor” libre de otras barreras que no sean las que el propio texto impone. (CATÓN, José M. Fernández. Creadores del Libro p. 32).

Portanto, desde que o livro passou a ser produzido em série; em múltiplos idiomas e, com variados tópicos dissertativos, o livro impresso começou adquirir linguagem própria abrindo dessa forma, uma nova relação paradigmática na sociedade da época de Gutenberg; conhecida como: A sociedade de leitores, devido à crescente democratização da alfabetização.

Com relação à produção impressa dos livros, novos códigos de escritas; tipografias, formatos de letras, estilos e normas de composição foram, paulatinamente, educando os novos leitores sobre como trafegar dentro do texto ou, como melhor aproveitar aqueles momentos de isolamento e independência que haviam conquistado. Nada sobre o livro foi obtido instantaneamente, pelo contrario, como podemos observar tudo foi arduamente criado de acordo com o amadurecimento de cada época, como nos lembra muito convenientemente Mc Arthur:

La estructuración de los libros no tiene nada de “natural”; de hecho, es tremendamente antinatural y necesitó nada menos que 4.000 años para producirse. El gran logro de los escolásticos, sobre todo para las elites escribanas del mundo, fue estilizar los temas, tramas y formas de los libros en una forma realmente rigurosa de estudio, las escrituras y el debate. Sus convenciones acerca de la estructura de los libros cambiaron radicalmente con el advenimiento de la imprenta, que fomentó la ordenación alfabética que nunca antes había cuajado. (MC ARTHUR, apud. Landow. 1995, p. 78)

Entretanto, ainda hoje o livro continua a enfrentar novas modificações de codificação e decodificação, ou seja, o livro como conhecemos tradicionalmente; composto linearmente, vem cada vez sofrendo drásticas influencia de outras formas de mídia as quais oferecem mais agilidade de leitura, profundidade de investigação, maior compressão de informação em menores espaços de armazenamentos sem mencionar as infinitas possibilidades de conexões interdisciplinares, as múltiplas autorias que quebram e descentralização as formas ditatórias dos textos de autor. Desta forma, o livro hoje passa por uma profunda forma de conversão discursiva, estética e filosófica que se ligam e se estendem ao infinito das possibilidades associativas e não “geniais”.


25 de fevereiro de 2007

Técnicas hipertextuais no filme Rashomon.


1 -Flashback e Recolection.
A hipertextualidade no filme Rashomon é obtida durantes as várias e sucessivas utilizações de técnicas de flashback, aonde os personagens vão contando seus pontos de vista a partir de lembranças sobre um crime o qual envolve quatro personagens principais: O nobre marido assassinado, sua esposa violentada, um famoso bandido, um modesto lenhador e um monge Budista. Todos esses personagens possuem suas versões e justificativas, de forma que, ao longo do filme podemos comparar quais delas poderia ser a mais verdadeira.

Essa técnica chamada de “Recolection” por Kurosawa, faz com que o espectador vire testemunha do crime dramático, assim como leva o espectador a tomar o papel de Juiz na trama. Isso ocorre devido à força interativa que o filme propõe, mais precisamente quando a direção decide posicionar os personagens de frente para a câmera fazendo, com isso, que tanto o publico quanto os personagens troquem olhares diretos; como uma espécie de confessionário.



2 - Cenário, Direção e Roteiro.

De forma complementar, a composição hipertextual no filme Rashomon, foi obtida tanto pela direção quanto pela escolha dos cenários; peças de muita importância na fixação dos pontos comuns, nos quais o eixo principal da narração trafegava, ou seja, o eixo ou núcleo principal da trama era fazer o publico saber como de fato o nobre cavalheiro samurai havia sido morto e, além do mais, por que.

Esse pensamento serviu de parâmetro de ida e volta no tempo do filme. Com isso ele é possível identificar os três estágios do roteiro de forma bem definida os quais ao mesmo tempo davam e recebiam as conexões de tempo, a saber:



a) Primeiro tempo ou tempo Comum dos acontecimentos da trama, acontecia dentro das ruínas do templo Rashomon sobre uma tempestade até a introdução de sua problemática ao espectador.




b) Segundo tempo ou Clímax, ainda sobre a forte tempestade após todos os pontos de vistas terem sido ditos, o tempo volta para o templo rashomon onde o personagem do Lenhador vai esclarecer a verdadeira versão do crime.




c) Terceiro tempo ou Apoteose, a cena mais vez volta para o tempo principal, a pergunta é respondida, porem, o filme nao finaliza seu discusso claramente; pelo contario, abri portas para outras possibilidades que os espectadores criam em suas mentes, desta forma, temos muitas possiveis formas de finalização.

Portanto, ao final de todos os pontos de vistas terem sido expressadas, o diretor fez com que a relação espaço-temporal do eixo central do filme não fosse esquecida na memória do publico. Para isso o diretor fez com que vários aspectos estéticos e semióticos se confluíssem também dentro do eixo principal e, como resultado, se obteve uma fragmentação do todo, por meio de cortes rápidos; como saltos rápidos para frente ou para traz dos acontecimentos. Por isso, o eixo principal dos acontecimentos, somados as técnicas de Flashbacks utilizado pela direção, as lembranças ou Recolections escritas no roteiro e a corporificarão disso tudo pelo cenário, formam sem duvida, as conexões hipertextuais do filme.

3- Montagem e Roteiro.

Levando em consideração que a gramática cinematográfica so vai surgir, na historia do cinema, a partir da criação da Montagem do filme, podemos com isso dizer também que foi a montagem a parte que coordenou todas as possíveis tramas hipertextuais. Assim como o Memex de Bush era para organizar as idéias e potencializa-las por meio de associações, a montagem do filme Rashomon foi a parte da produção que tornou possível o embaralhamento da ordem e acontecimentos da narrativa e, com efeito, possibilitou a quebra da linearidade do roteiro.

4 - Personagens

A sobreposição dos elementos faz com que os Personagens interajam com publico e que ele, por sua vez, participe ativamente do drama. Os personagens também provocam as conexões hipertextuais no filme por meio de seus argumentos que se misturam com os demais e que, a um só tempo, são capazes de invocar, de forma incitativa, a participação do publico. Alem disso, todos os personagens envolvidos na trama quando no momento do interrogatório se sentam paralelamente uns aos outros como se formassem uma fileira humana, nesse momento do filme os personagens adquirem uma outra função a de “texto lido” ou “texto suspenso”. O ponto positivo disto é que o espectador, neste momento do filme, consegue organizar mentalmente e visualmente seus pontos de vistas mais convincentes.

O roteiro por sua vez, por ter sido uma adaptação de um romance clássico Japonês, recebeu algumas alterações para que a composição hipertextual se tornasse algo plenamente entendível e coerente, principalmente, para o publico ocidental que ainda não estava acostumado a quebrar a linearidade do tempo dos filmes.


Conclusão Hipertextuais e sua relações com o cinema.

Como um grande quebra cabeças, o diretor Akira Kurosawa teve que organizar todos os elementos criativos do filme para poder fazer com que as lexias hipertextuais funcionassem como elementos dinâmicos de expectação e estética simultaneamente. Claro, que para isso, tanto o roteiro quanto a direção foram os elementos de fundamental importância direcional para que os saltos de tempo e, rasgos de espaço não perdessem o seu eixo central. Porém, nada disso poderia ser feito se a linguagem cinematográfica não oferecesse técnicas que possibilitassem a organização e a distribuição desses acontecimentos de forma interativa uns aos outros e com o publico. Enfim, o que se quer dizer é que, graças às técnicas de direção; considerando as locações do cenário, o treinamentos dos personagens e a decupação do roteiro, misturado, sobretudo, a montagem do filme, os nódulos narrativos puderam ser abertos e organizados coerentemente.

Quais as funções básicas do Hipertexto?


Resumidamente, as funções do hipertexto, como técnica, consistem em ampliar a capacidade de leitura e potencializar as capacidades de escritas. Além disso, o hipertexto pretende fornecer e fomentar uma investigação mais ativa e interativa de forma democrática e descentralizada.

Uma outra função das conexões hipertextuais se revela na velocidade de tanto decodificar quanto de codificar as informações, uma vez, que o hipertexto possibilita trabalhar com qualquer tipo de signo; verbal e não-verbal para a construção de uma idéia.De acordo com a teoria critica, Roland Barthes afirma que:

En este texto ideal, abundan las redes (créseaux) que actúan entre sí sin que ninguna pueda imponerse a la demás; este texto es una galaxia de significantes y no una estructura de significados, no tienes principio, pero sí diversos vías de acceso que ninguna de ellas pueda calificarse de principal; los códigos que moviliza se extienden “hasta donde alcance la vista”; son indeterminables…; los sistemas de significados pueden imponerse a este texto absolutamente plural, pero su número nunca está limitado, ya que está basadoen la infinidad del lenguaje. (BARTHES, apud. Landow, 1995, p. 14)


Se por ventura compararmos as funções tradicionais de conexões, como notas de rodapé, citações e outras formas lineares de conexão, com o atual sistema tecnológico que envolve o hipertexto e suas conexões não-lineares, poderemos perceber que, as vantagens deste para com aqueles são abundantemente superiores. De acordo com Landow (1995), isso pode ser de dois modos:

a) Primeiro Modo:
O texto principal se referencia diretamente com o símbolo de referencia em vez de encotrar-se numa lista numerada al final do texto.

b) Segundo Modo:
Uma vez aberta y superposta ao texto principal ou bem colocada de lado, a nota aparece como um documento independente, embora associado, e não como espécie de texto subsidiário, secundário e eventualmente parasitário.

Afinal, o que é Hipertexto e de onde ele veio?



O hipertexto, termo que surge nos anos sessenta criada por Theodor H. Nelson se refere a um tipo de texto eletrônico; a uma nova tecnologia informativa. Entretanto, apesar de sua nomenclatura ser relativamente nova, o hipertexto, ou pelo menos sua idéia essencial, já havia sido encontrada tecnicamente por meio de projeto de uma maquina no ano de 1945 pelo cientista americano Vannevar Bush. A idéia central do desenvolvimento dessa nova tecnologia prometia organizar os livros e seus conteúdos com base em suas afinidades; uma espécie de blogue eletrônico antigo. Com efeito, isso possibilitaria tanto maior compressão de dados quanto um processo de busca mais acurado das matérias. Essa idéia, de acordo com Landow (1995) ficou conhecida por Memex. Suas razões de existência, ele mesmo explica:

El problema principal reside em lo que llamo <>, la recuperecion de la información, y la razon primaria por la que los que necesitan información no pueden encontrarla, se debe a los inadecuados medios de almacenar, ordenar y etiquetar la información. (Vannevar Bush, apud. Landow. 1995, p.27)


A idéia sobre o Memex (Memory Extension), consistia em ajudar as pessoas a construir suas rememorações por meio de uma maquina que possibilitasse um funcionamento parecido com pensamento humano de associação. Desta forma, as pessoas poderiam ter suas falhas de memória corrigidas, pois, o Memex se prontificava em organiza-las e em data-las corretamente. Essa nova idéia veio a publico por meio de um célebre artigo feito pelo próprio Bush, intitulado de: As We May Think?.

Entretanto, apesar disso tudo acima ser verdadeiro, precisamos aqui dizer que a idéia essencial de compressão e organização dos textos não surge por causa única do Memex propriamente dito, como a maioria dos especialistas possa querer, mas, fundamentalmente, surge a partir de uma inquietante sensação do homem moderno, frente a um vertiginoso e crescente acúmulo e desenvolvimento de novas informações, teorias, experiências e assuntos nos mais vastos campos do saber. O pensamento não poderia mais ser posto apenas de forma linear, como fora anteriormente com a dominação dos livros tradicionais, ou seja, os livros, como suportes físicos, desaceleravam o crescimento e o desenvolvimento do pensamento e, o que é pior, lotava as prateleiras das bibliotecas de forma drástica, onde muitas das vezes, eram quase totalmente esquecidos pelos leitores.

Em outras palavras, o império do livro tradicional juntamente com suas características essenciais de leituras a saber: monossemia e fechamento de idéia e, de escrita; intransigência e autoritarismo começaram a dar vazão a outras formas de escritas e de leituras concomitantemente aos novos valores sociais. Desta forma, temos:


El conjuto de la experiencia humana está creciendo a un ritmo prodigioso, pero los medios que empleamos para desplazarnos por este laberinto hasta llegar al punto importante del momento son los mismos que utilizábamos en los tiempos de las carabelas. (Bush, apud. Landow. 1995, p.26)

A partir desse pensamento e aspiração surge o hipertexto, como conhecemos hoje em dia, um portal que liga assuntos afins ao longo de infinitas possibilidades associativas. O hipertexto, mais do que uma nomenclatura técnica, ele representa e corporifica a forma do pensamento humano, pois, o cérebro humano não funciona linearmente, ou bidimensionalmente, mas, sobretudo, de forma não-linear e tridimensional. O hipertexto surge para facilitar as conexões de pensamento, prolongar o conhecimento e acelerar seu desenvolvimento. A célula principal do hipertexto, aquela que possibilita e engendra todas as associações possíveis, é conhecida como “Links” ou, segundo Barthes, lexias. Esses links ou lexias são os pontos; os nódulos de abertura responsáveis por fazer o fenômeno Hipertextual acontecer dentro de um suporte midiático eletrônico.

Entretanto, ainda que seja verdade que a nomenclatura: Hipertexto surja a partir de um advento eletrônico, não podemos em hipótese alguma afirmar que ele é unicamente eletrônico. Em outras palavras, o fenômeno do hipertexto, ou seja, aquela necessidade humana de associação; de pular associativamente de assunto à assunto, pode ser empregada em qualquer suporte, seja ele linear ou não. Haja vista que, segundo Landow (1995), os textos acadêmicos com suas notas de roda pés, citações e referências são as evidências de que o fenômeno hipertextual já era possível em suportes lineares, mesmo que de forma rudimentar, isto é, comparado com as novas e infinitas possibilidades eletrônicas de hoje.

10 de fevereiro de 2007

Resumo do livro: O testamento de um excêntrico.



O Ponto de partida da novela de Vernes acontece a partir do aparecimento de testamento de morte deixado pelo multimilionário americano William J. Hypperbone, quem vivia na grande cidade de Chicago lá pelos anos de 1897.
Em seu atestado estipulava uma soma de dinheiro calculada em 60 milhões de dólares, uma grande fortuna para época, entretanto, o morto por ter sido durante toda sua vida um grande fanático em jugos de roleta, decidiu que o herdeiro de sua grandiosa fortuna seria aquele que se tornasse o vencedor de uma partida especial de roleta na qual os diferentes estados dos EUA corresponderiam a uma determina casa do jogo de roleta.

Pois muito bem, após terem sido selecionadas pela sorte, seis pessoas de Chicago se lançaram através de todos os EUA indo de Estado em Estado de acordo com que era determinado pela sorte dos dados do jogo lançados quinzenalmente por meio de um cartório responsável pela regulamentação do jogo. Portanto, aos sortudos seis jogadores, e possíveis ganhadores da fortuna de Mr. William, tiveram que se unir com seus nomes e sobrenomes a um jogador anônimo chamado de X.K.Z.

A partir daí começa o ponto mais divertido e intrigante da novela e que, portanto, logo após faz com que a novela ganhe uma nova roupagem, principalmente, pelo suspense empregado o qual se apodera de toda a narração na tentativa de suscitar no espectador a curiosidade em saber quais seriam as peripécias que os participantes fariam em cada lance do jogo e ao mesmo quem seria o grande ganhador da fortuna.

Enfim, o que podemos observar nessa miraculosa novela de Verne é como ele consegue usar os argumentos da ficção como “Background” (espaço de fundo) para fazer longas descrições geográficas, culturais e científicas como “foreground” (espaço de frente). Sem duvida essa característica é a que mais define a forma de escrever desse autor.

31 de janeiro de 2007

O HIPERTEXTO NO INCONSCIENTE CULTURAL - A partir do filme Rashomon

O que dizer para nos safar na hora de difíceis tomadas de decisões? Quais são os limiares entre Verdades e Mentiras? Justificativas e Desculpas? Certo e Errado? Bom e Mal? Agora segue o cerne de todas as questões acima: quais são os seus respectivos pontos em comum? Responder tais perguntas para algumas pessoas parece, talvez, ser algo fácil de se fazer, mas para outros, nem tanto, principalmente, para aqueles que buscam nas evidencias dos fatos a comprovação desejada. Claro que não precisamos por o ser humano dentro de um tubo de ensaio para entendê-lo, basta, ao invés disso, pôr-lo livre para desenvolver seus papeis sociais para que a partir daí possamos ter uma visão aproximada do que pensam a respeito de tais questões.

Perguntas como essas marcam a proposta central do filme Rashomon de Akira Kurosawa e, com efeito, a vida das pessoas em geral. Entretanto, antes de adentrar a discussão sobre o filme, é preciso abrir neste texto portas de conexões que se cruzem e se misturem num só tempo, num tempo onde residem nossas lembranças mais profundas, onde ocorrem os mais rápidos movimentos informativos cerebrais (Inteligência), os quais são capazes de ativar os mais diferentes estágios de nossas vidas por meio de uma simples varredura sensorial a partir de traços, resquícios indicativos como: Índices(sintomáticos ou assintomáticos), sinais, ou símbolos capazes de incitar reações instantânea em nós.

Desta forma, similarmente como foi feito no filme Rashomon por meio de Flashbacks, para sobrepor pontos de vistas em profundidade, aqui, neste, não usaremos “flashbacks” para contarmos pontos de vistas, mas, sobretudo, tentaremos fornecer pistas importantes para que o leitor possa construir um novo olhar e, com efeito, uma nova *Realidade a partir do filme em questão. (*aqui neste, no sentido discursivo do Real).

E bem verdade que não evidenciamos tais questões de forma tão explicita nos noticiários de TV ou, mesmo as vemos sendo discutidas em salas de aulas como deveríamos. Isso sem duvida é um fenômeno que, muitas das vezes, não é se quer assumido existir pela sociedade, devido; talvez, á uma proteção demasiada do ego ou, mesmo, devido a uma rotina de vida “atômica” na qual não nos resta Tempo* nem para pensá-las quanto mais entende-las. Enfim, sejam quais forem as justificativas que possamos encontrar sobre a falta de pertinência desses assuntos é, justamente, sobre sua natureza de surgimento que podemos afirmar com mais certeza de que é a partir da inquietação íntima do ser humano que elas brotam, isso de acordo com a
[1]Dialética Kantiana.

Segundo Kant é preciso apenas o mínimo contato do sujeito com o contexto que contenha questões inquietantes em nós que logo as reconhecemos como experiências imantadas. Em outras palavras, mesmo que não vivenciamos algumas experiências, como o caso do filme Rashomon, onde o protagonista se esconde e se disfarça até o último minuto do filme, para que assim o espectador apareça como juiz do que é bom ou errado, do verdadeiro ou mentiroso, ou do que é simplesmente Justificável, ainda assim, podemos reconhecer todos os nossos lados de fraquezas e sofrimento sobre a mascara de cada um dos personagens envolvidos na trama. O filme trata de um arquetípico triangulo amoroso envolvendo um nobre cavalheiro, a sua esposa e a figura da Sombra encarnada na figura do vagabundo.

O filme Rashomon faz o espectador lembrar de experiência arquetípica que são acionadas por meio de outras lembranças narradas no filme um dentro da outra como se fossem uma gigantesca “caixa chinesa”. O processo de identificação que o espectador faz com o filme esta próximo das nossas noções de moral, honestidade, bondade e justo, é claro, que isso inteligivelmente(ver teorias platônicas). Talvez, seja justamente por isso que a trama do filme nos envolve tanto, chegando a nos causar sentimentos que variam entre a raiva ao perdão, da compaixão à revolta.

Com efeito, passamos de forma muito semelhante por situações e sentimentos comuns as quais marcam a existência de uma unidade estrutural similar a todos os nichos culturais. De acordo com o psicanalista Carl Gustav Jung (quem desenvolveu as noções sobre o inconsciente humano), essas experiências as quais muitas vezes vem corporificadas por meio de imagens-símbolos, chamadas por ele de: Arquétipos (imagens simbólicas padronizadas pelo inconsciente coletivo). Segundo ele esses arquétipos são capazes de nos trazer as mais profundas e longínquas reminiscências antepassadas.

Jung afirma ainda que isso só seja possível devido aos nossos órgãos do sentido ser funcionalmente e biologicamente semelhantes aos dos demais tipos humanos no mundo, com efeito, desenvolvemos também percepções primárias e necessidades básicas semelhantes, como por exemplo: alimentação, segurança e reprodução. A partir disso criou-se, então, uma espécie de “teia” capaz de nos unir coletivamente num contexto psico-cultural chamado de Inconsciente Coletivo
[2] << é a camada mais profunda da nossa psique onde residem as reminiscências de nossa vida ancestral e que nos uni de forma qualitativa>> de forma Virtual aos demais indivíduos dentro de um tempo ulterior(onírico imagianario) ao tempo oxigenado das partículas vivas, mas, primordialmente, à um tempo onde residem nossos sonhos e desejos mais secretos. Ainda sobre o virtual temos:
"o virtual não se opõe ao real, mas sim ao actual. Contrariamente ao possível, estático e já constituído, o virtual é como o complexo problemático, o nó de tendências ou de forças que acompanha uma situação, um acontecimento, um objecto ou uma entidade qualquer, e que chama um processo de resolução: a actualização." (LÉVY, 1996, p.16)

Existe, com efeito, a partir dessa relação aquilo que se pode se chamar de: *Retro-Alimentação Virtual da Cultura (grifo meu), pois, é justamente nessa combinação de Inconsciente e Consciente dentro da virtualidade onírica a qual se torna a idéia primordial de Cultura
. Não importa aqui qual de suas teoria é a mais correta, se aquela que diz respeito ao desenvolvimento da oralidade, ou aquela que trata da humanização e transformação do alimento cru para o cozido ou, mesmo, aquela que trata da relação do homem com a morte, o que se quer apontar aqui com maior vigor é apenas a sua relação dialógica Causa X Efeito para que seu surgimento seja possível. A cultura por associação pode ser entendida como o resultado daquilo que existe primeiro no imaginário de uma coletividade e depois projetada, em termos físicos, para um contexto (forma).

O filme Rashomon trabalha de forma dinâmica os arquétipos de experiências, utiliza da mesma forma técnicas de flashback para criar buracos de tempo -como uma espécie de minhoca, que perfura a terra e a deixa em sua superfície um rastro fino e delicado quase imperceptível, porem, todos nós sabemos que é por meio dessa delicadeza de passagem da minhoca pelo solo que o mesmo de enriquece tornando-se, com efeito, mais fértil. Metaforicamente a isso temos no filme o maravilhoso progresso textual corporificado por meio da linguagem cinematográfica de montagem de “flashbacks”. O Efeito criado com isso é uma leitura mais rica do filme feita por meio de vários olhares que se bifurcam e se afastam para o infinito das verdades subjetivas. Basicamente, é na combinação da Técnica com a Arte –(vista em seu sentido estético) – que obtemos as mais expressivas formas informativas. O Hipertexto
se posiciona exatamente no meio deles como um mediador extremamente eficaz na transação das informações e conseqüentemente no aproveitamento do tempo de leitura e para uma maior aproximação de nossos próprios funcionamentos cerebrais. Talvez seja por isso que o hipertexto seja tão rico e tão facilmente compreensível, pois ele nos leva a um reconhecimento mais intimista das nossas próprias faculdades de pensamento a cerca da natureza do real. Pensar sobre sua própria existência e tentar explica-la se torna algo que apenas podem ser rememoradas, seja por meio de mitos, ritos (religiosos ou não) ou de arquétipos - os quais se tornam as peças fundamentais para a comprovação do êxtase de uma vida primordial e imaginaria no mundo dos sonhos pelo os quais; ao passo de combinações com o consciente, temos a construção de várias narrativas que variam desde uma simples historinha infantil até aos mais altos vôos da literatura, do cinema, da TV e tantas Medias as quais, todavia, recebem esse nome não por mero equivalente técnico de significação informativo entre produtor e espectador , mas, fundamente, pelo seu valor de transporte entre Imaginário e Real.